sexta-feira, 6 de julho de 2018

Mensagem da Pintora Glória Costa ao Pintor Arnaldo Macedo - T01 E02 (EXTRA)

"3º Toque"

Acrílico s/tela/ 80x60cm

A ocasião assim o exigia. Mirando de alto a baixo, o espelho reflete uma paleta engalanada. Perscruta-se minuciosamente: os pigmentos estão secos, nó windsor na gravata... Um nervoso miudinho percorre-a. Aguarda uma chamada que abrirá o portão das jornadas a percorrer. Sabe que é um passo para o desconhecido. Ignora para onde a leva – talvez do nada para lugar algum. A luz azul que envolve o seu corpo é um enigma que sufoca. Olha para o telefone que continua mudo. Sente o sonho no leve esvoaçar das maçãs. Os pincéis germinam em solo fértil. Estremece... o telefone toca três vezes. Está na hora!!!

Ao Redor do Touro

5.º ENCONTRO INTERNACIONAL DE ARTE AO REDOR DO TOURO
Exposição na Galeria Vieira Portuense 2014
http://encontroaoredordotouro5.blogspot.com/

"Paso doble"/ Acrilico s\tela/ 50x40cm



ENCONTRO INTERNACIONAL DE ARTE AO REDOR DO TOURO
 SOUSEL - 2011
http://encontrodearteaoredordotouro.blogspot.com/2

ESTOCADA/ Acrílico s/tela/ 55x65 cm

Em plena arena, uma luz cita e abeira-se dos meus pensamentos cravando-lhes uns ferros curtos. A maçã, aturdida, atreve-se a fazer uma pega de caras. O touro encampana-se, levanta a cabeça e desafia a maçã. Atraído pelo fruto despedaça a capa de linho celeste dando-lhe uma estocada. Ferida de morte na lide, a maçã esvai-se em seiva que alimenta os meus pincéis.


À bolina do [sur]Real

Pintar o Porto, na Galeria Vieira Portuense

"PINTAR O PORTO II"
Exposição na Galeria Vieira Portuense - 2013
http://2pintaroporto.blogspot.com/ 

ClerigusChristus”/ Acrílico s/ tela/ 90x70cm





Baile das Maçãs Voadoras


Acrílico s/tela/ 90x70cm

Hoje, o Mar que corre nas minhas veias está à bolina do surreal. Parei o tempo. Os pássaros repousam nas árvores. O aquário não tem peixes.
As crianças arrumaram os jogos.
Encostei os pincéis e deixei meu corpo deslizar pela paleta de cores. Fiquei imóvel.
A janela do sonho invadiu o silêncio. Petrificado, assisto ao baile das maçãs voadoras. O alfinete detém as cortinas do palco da utopia de um golpe atro...
As nuvens, na sua andança, resgatam a minha realidade.

Auto-retrato II

Acrílico s/tela/ 90x60cm

Esta vida terrena asfixia-me.
A minha mente transporta-me para outro lugar, para lá da ilha do pensamento, onde a criação se encontra com a liberdade, na ilha do Éden.
Do azul encamisado do céu solta-se um balão de ar quente que contém os pincéis, triviais ferramentas, que delineiam o meu devaneio. Na companhia das nuvens, as maçãs sacodem as suas asas, agitando toda esta loucura. Procuro a perfeição escutando as harmonias dos planetas.
Enquanto minha alma não repousa, vou colorindo as horas em que esqueço que sou Mortal…

Entrevista a Arnaldo Macedo - Rumos & Vidas - T01 E02

"47 Degraus"

Acrílico s/tela/ 70x50cm

Sob proteção paterna, inicio o meu percurso de vida como uma criança frágil e cândida, porém com o semblante de um fantasma birrento. O mesmo chão que consente o pranto dos petizes, presenteia o cavalo para as suas cavalgadas terrenas. O tempo passa... a escada da aprendizagem vai sendo montada. Subo, penosamente, degrau a degrau, procurando alcançar as maçãs que esvoaçam ao meu lado.

"Entre o Mar e o Sonho"

Acrílico s/tela/ 90x70cm

Nesta vida terrena, repleta de calhaus, acondiciono, no lado esquerdo da memória, o pergaminho dos meus primeiros traços executados por um lápis debutante. Prezo o jorrar das águas do obscuro. E nos segundos em que esqueço que sou efémero, um tubo de tinta solta os pigmentos que aquecem o meu corpo. Abro fendas nos sonhos e envio os pincéis ao encontro das maçãs voadoras. E neste silêncio de cores prostradas na tela, revelo ao Mar toda a espuma que me veda os olhos….

Exposição na Galeria Vieira Portuense

"E a vida, diz-nos o sangue, não se pode adiar." 
Exposição de ADIASMACHADO e ARNALDO MACEDO - 2014
http://adiasmachadoearnaldomacedonoporto.blogspot.com/ 















Arnaldo Macedo


Fiz uma viagem já passada pelo calendário. Parei onde marcava. 21:11 Visionei aquela luz que, na altura, iluminou a minha essência. O teu rosto colado ao meu. O alfinete que me ofereceste quando a terra se rompia debaixo dos meus pés. As maçãs voadoras que esvoaçavam em regozijo … Hoje, o tubo de tinta do destino continua a colorir as minhas utopias, mas tu estás longe de mim e contigo tens o açúcar que corria nas minhas veias… Ao peixe pássaro que tudo vê por baixo do mar e acima da terra pergunto por ti: ONDE ESTÁS? Não recebo resposta. Porém enquanto o alfinete segurar o rasgo da terra e continuar o germinar dos meus pincéis, eu acredito que estarei contigo algures, hoje ou amanhã….

Arnaldo Macedo Natural de Caldas de Vizela… 
Com um percurso essencialmente autodidacta e uma obra que atravessou vários estilos, a sua pintura fixou-se na corrente surrealista resultante da influência do pintor surrealista Salvador Dali e do escritor Mário Cesariny. O seu imaginário deambula entre a força simbólica das imagens e a subtileza das palavras. Ganhou um segundo e terceiro prémio num concurso em Vizela. Tem participado regularmente em exposições colectivas e individuais, nomeadamente (as mais recentes): Galeria Espaço t - Trofa, Clube Literário do Porto, Salão da Primavera 2011-Galeria Vieira Portuense (colectiva), Diana Bar - Póvoa de Varzim, Fundação Jorge Antunes - Vizela, Ao Redor do Touro-Galeria Vieira Portuense (colectiva), Biblioteca Municipal – Castelo de Paiva, A Cadeira de Van Gogh- Porto, Câmara Municipal de Paredes e Galeria de informação de Amares.